A idade do ferro

Ainda me lembro quando tinha os meus 5 anos e o meu pai me levava ao café da Senhora Maria (ao lado dos Correios) para beber uma Coca-Cola… com limão. Aquilo era fantástico, metia a Orangina e o Sumol de Laranja num canto. O café da Sra. Maria era o único em São Marcos da Serra onde havia Coca-Cola (pelo menos dos que eu conhecia).

 

Nesse tempo beber água em garrafa era para mim uma coisa estranha. O que levaria alguém a abdicar da água das fontes naturais da freguesia para beber água numa garrafa de vidro riscada e suja de pó??! Cedo me habituei a ir à fonte todas as semanas buscar água. Cedo também me ensinaram que devíamos variar as fontes porque as propriedades de cada uma eram diferentes e todas nos davam mais saúde.

 

Hoje temos água com sabor a tudo. Água que tira o apetite, água que dá energia, água desmineralizada, água que sabe a gelado e por ai em diante. Temos também suplementos alimentares e químicos de toda a espécie. Desde o magnésio até ao cálcio, passando pelo sódio e vitaminas com todas as letras do alfabeto.

 

Foi pensando nisto que me passou pela cabeça se não seria negócio engarrafar água em São Marcos da Serra!! Para quem não sabe a grande maioria das fontes de São Marcos da Serra tem água rica em ferro que, ao contrário das águas calcárias do litoral, é indispensável ao ser humano e receitada a todos os bebés nos primeiros meses de vida. Estima-se que 90% das anemias detectadas sejam causadas por carências deste mineral. Podem ficar a saber mais com um clique aqui.

 

A ideia pode ser descabida mas eu não tenho dúvida nenhuma que a competição entre a UNICER e CENTRAL DE CERVEJAS vai acabar por trazer até nós água rica em magnésio, água rica em cálcio, água rica em ferro, etc… Só resta saber quem serão os fornecedores da matéria prima e se sairá mais barato colocar o ferro na água ou extrai-la naturalmente.

publicado por Paulo Silva às 22:58 | comentar | ver comentários (4) | favorito